VÍDEO: após enchente, ONG que atende crianças em risco busca ajuda para se reerguer

Prédio da instituição foi interditado pela Justiça após enchente que atingiu Anastácio

11 MAR 2018Bruna Vasconcelos11h00min
Imóvel ficou embaixo das águasFoto: Arquivo Pessoal

No último mês, o estado de Mato Grosso do Sul voltou os olhos para a segunda maior cheia já registrada no Rio Aquidauana. A enchente tomou conta das cidades ribeirinhas e deixou um rastro de destruição e tristeza por onde passou. Localizada ao lado da Ponte da Amizade, a Sociedade Missionária Ebenezer de Anastácio (Some), que há 20 anos abriga crianças em situação de risco social, pede socorro para continuar com as portas abertas.

A força da enchente invadiu o imóvel onde funcionava a ONG, levando móveis e os sonhos das sete crianças que vivem na Some. Com a inundação do prédio, os moradores e funcionários precisaram mudar de local, indo morar temporariamente na Igreja Evangélica Batista. 

No dia 23 de fevereiro, o juiz Luciano Beladelli, expediu um ofício interditando, por tempo indeterminado, a sede da instituição. No documento, Baladelli solicitou que o Poder Público Municipal assuma a responsabilidade e providencie uma nova sede para os assistidos. Porém, na prática não foi isso que aconteceu.

A presidente da Instituição, Alcione Beloto, contou à reportagem que, até o momento, a Some está de forma improvisada e passando por dificuldades em acomodar as crianças que necessitam de alojamentos individuais. Se antes a instituição contava com quartos, brinquedoteca, cozinha, banheiros e biblioteca, hoje, o que sobrou foi um salão provisório na Av. Manoel Murtinho. 

Alcione ainda relata que a solidariedade dos sul-mato-grossenses foram essenciais para a sobrevivência da Some nas últimas semanas. Doações de mantimentos, roupas de cama e itens de higiene chegaram dos quatro cantos do Estado, possibilitando o mínimo de dignidade para os pequenos.

Atualmente, a ONG abriga crianças de 7 meses até 16 anos que sofreram violências psicológicas e físicas. De acordo com a presidente, a maior dificuldade tem sido arrumar um novo local para dar continuidade no aprendizado e crescimento das crianças e adolescentes. Uma das poucas instituições existentes entre as cidades de Aquidauana e Anastácio, a Some acredita conseguir se reerguer e prosseguir enchendo os pequenos corações de esperança.

Confira como ficou a instituição:

Deixe seu Comentário

Leia Também