De vendedor de pastel a dono de boate: empresário relembra infância e comemora vitória

Christian Queiff relembra que sempre teve vontade de trabalhar com baladas, mas teve que superar dificuldades

14 AGO 2017Dany Nascimento16h10min
Foto: Arquivo Pessoal

Com a infância marcada por poucas brincadeiras e muito trabalho, Christian Queiff sonhava em voar alto enquanto ajudava os pais a cuidar dos irmãos e a vender pastéis e caldo de cana, no centro de Campo Grande. Quando tinha oportunidade de ouvir música, Queiff ‘viajava’ ao colocar o fone e ouvia as canções no último volume, despertando vontade de participar de eventos noturnos.

Ao atingir a maioridade, Christian começou a trabalhar como caixa nos bares do Bistrot, mas o que ele não imaginava, é que de caixa, ele se tornaria o dono e transformaria o local, em uma das boates LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) mais frequentadas da Capital, que hoje recebe o nome de Non Stop Club. Hoje, ele é dono do local em sociedade.

No ano de 2004, ele preparou o primeiro evento e confessa que todas as expectativas foram superadas, mas também relembra as maiores dificuldades ao administrar baladas noturnas.

Confira abaixo a entrevista completa com o empresário:

TopMídiaNews: como foi sua infância? Sempre pensou em investir em eventos

Christian Queiff: tive uma infância de poucas brincadeiras, desde criança já trabalhava ajudando meus pais a cuidar dos irmãos, enquanto eles trabalhavam para nos sustentar. Quando criança eu adorava ouvir som alto com fones de ouvidos, não via a hora de ter meus 18 anos para ir para balada, quando comecei a me entender por gente já havia uma grande vontade de estar e participar da noite.

TopMídiaNews:  como decidiu que queria trabalhar com eventos?

Christian Queiff: na verdade eu nunca decidi, foi algo que praticamente aconteceu, típico de coisas que tinha que acontecer, eu acredito. Comecei trabalhando nos caixas e bares do Bistrot, mas o engraçado é que quando eu pisei pela primeira vez em uma balada LGBT, tive uma sensação de liberdade misturada com encontro, liberdade de me sentir bem no lugar,  tive uma grande vontade de trabalhar naquele lugar, mesmo achando diferente ver pessoas do mesmo sexo se beijando.

TopMídiaNews: como é trabalhar com público LGBT?

Christian Queiff: sempre foi muito divertido, quem faz o que gosta sempre está de férias ou não trabalha (risos), eu amo o que faço.

TopMídiaNews: sempre trabalhou com boates LGBT?

Christian Queiff: antes de começar a trabalhar com eventos eu trabalhava com meus pais no comércio, vendendo pastel e caldo de cana no centro da capital.

TopMídiaNews: normalmente você deve receber muitos pedidos de shows, quais são os artistas que o público mais pede para se apresentar na Capital?

Christian Queiff: atualmente o show da Pabllo Vittar é o mais pedido em número recorde.

TopMídiaNews: quais são os próximos eventos para este ano?

Christian Queiff: vamos realizar show com Pabllo Vittar e Aretuza Lovi no dia 24 de agosto no Jeremias. Também vamos realizar a Everybody Together, no dia 26 de agosto, que é uma festa Gay-friendly de Portugal *Lisboa. O maior objetivo é proporcionar aos participantes uma experiência maravilhosa! Apostamos na qualidade musical, na produção artística.  Já passou por países como Brasil, Espanha, França Irlanda e está em uma nova tour mundial, retornando da America do Sul. O superstar Dj House Of Labs será o responsável em abrilhantar a noite com seu set refinado cheio de remixes exclusivos. Vamos ter também o querido Dj Feeling, Las Bibas, Breno Barreto, Irmã Zuleide, Alisson Lisboa, Denis Ruiz entre outras surpresas.

TopMídiaNews: qual evento que realizou que ficou marcado na memória?

Christian Queiff: sempre tem aquela festa que marca alguma coisa, mas eu nunca esqueço de uma que fiz com o título de Orkust Fest, onde infelizmente muita gente ficou de fora porque o número de pessoas já ultrapassava o permitido. Na época dessa festa, o pessoal fumava dentro da boate, me lembro como se fosse hoje, tinha tanta gente que o pessoal mal fumava porque tinha que ficar com o braço para cima com cigarro e as bebidas nas mãos. O pessoal ficava pedindo para esvaziar a boate porque estava lotada, me vi em um beco sem saída, como tirar o pessoal? (risos). Oque eu tinha de fazer naquele momento era esperar o pessoal sair por vontade própria, lembro que o Bistrot encerrava suas atividades exatamente as 5 horas da manhã e nesse dia eu quase apanhei porque o som foi desligado no horário.  

TopMídiaNews:  pretende investir na abertura de outras boates?

Christian Queiff: vontade não falta, mas atualmente já existe um número legal de bares e boates no meio LGBT.

TopMídiaNews:  como é o dia a dia de um empresário que investe em eventos em Campo Grande?

Christian Queiff: tem gente que acha que ser dono de balada é fácil, e não é bem assim. Meus dias são sempre bem corridos, quando não estou dentro de algum mercado procurando bons preços, estou  dentro da boate colocando a casa em ordem e resolvendo problemas como manutenção e administrativos. 

TopMídiaNews: como você se define hoje?

Christian Queiff: realizado com o que eu tenho e correndo atrás para oferecer sempre o meu melhor.

 

 

HMEDIC

Deixe seu Comentário

Leia Também

fabio trad