Mamão relembra dificuldades antes do BBB e anuncia candidatura para 2018

Ilmar afirma que vai disputar as eleições dentro ou fora do Partido dos Trabalhadores

22 MAI 2017Dany Nascimento14h19min
Foto: Wesley Ortiz

Ele ficou conhecido após participar do programa Big Brother Brasil 2017, mas antes de ganhar os holofotes de um reality show na telinha da Rede Globo, Ilmar Renato Granja Fonseca, 38 anos, apelidado de 'Mamão' pelo irmão,  já carregava uma história de batalhas e conquistas.

Quando o assunto é a causa indígena em Mato Grosso do Sul, Ilmar destaca que foi selecionado para ouvir os indígenas detidos em um confronto na fazenda Buriti em 2013,   por um grupo de ativistas dos direitos humanos, mas o olhar do advogado mudou ao conhecer os índios que lutaram naquele confronto.

Envolvido na política do Estado há mais de 20 anos, o militante do Partido dos Trabalhadores confirma que está construindo um projeto para disputar as eleições em 2018, dentro ou fora do PT. Ele confirma que recebeu convite para migrar para outros partidos, mas seu objetivo é continuar na sigla e disputar as eleições.

Questionado sobre a polêmica relação com o participante Marcos Harter, que foi expulso do BBB 17 acusado de agredir a 'ficante' Emily, que teria 'da noite para o dia' se tornado inimigo do sul-mato-grossense dentro da casa, Mamão afirma que se decepcionou com médico.

Confira a entrevista abaixo e conheça a história de Ilmar:

TopMídiaNews: de onde surgiu o apelido Mamão?

Ilmar Renato: o apelido foi dado porque meu irmão não sabia me chamar de irmão, dai ele me chamava de 'Mamão, meu Mamão, meu Mamão'. Dai o apelido pegou e ficou.

TopMídiaNews: você perdeu seu pai para o suicídio, como era sua relação com ele e como recebeu essa triste notícia?

Ilmar Renato: meu pai se chamava Ilmar Pedro Fonseca. Eu tenho poucas lembranças do meu pai, porque ele suicidou quando eu tinha seis anos de idade, eu era muito criança e existe e há um bloqueio  psicológico em relação a isso. Não lembro muito da fisionomia dele.  Eu recebi a notícia de que ele tinha morrido de câncer e, aos 16 anos, eu descubro que meu pai cometeu suicídio. Eu descobri a verdadeira causa da morte porque eu encontrei o atestado de óbito dele e fui conversar com a minha mãe. A família não sabe o motivo que levou ele a cometer o ato. Foi o sentimento do absurdo, que vai tomando conta do ser humano. Tenho uma boa dica de leitura, eu indico a Teoria do Absurdo, de Albert Camus.

TopMídiaNews: como era a sua vida antes da participação no BBB17?

Ilmar Renato: eu sempre fui militante político, dos direitos humanos, mas com abrangência apenas em Mato Grosso do Sul, principalmente na Capital do Estado. Fui o primeiro superintendente de políticas públicas para a  juventude do Estado de Mato Grosso do Sul, no ano de 2004. Fui coordenador e criador do bolsa universitária, que hoje é o vale universidade. Sou advogado, sou especialista em orçamento público, LOA (Lei Orçamentária Anual), Lei de Diretrizes Orçamentárias e Plano Plurianual, com viés muito no processo legislativo, na questão da construção da narrativa das leis que são aprovadas pelo poder legislativo. Sempre fui Membro do Partido dos Trabalhadores, sou filiado de 1995, tenho mais de 20 anos de militância, é meu único partido, não sou uma pessoa que fica pulando de partido.

TopMídiaNews: como uma candidatura sua dentro do PT sempre teve resistência das lideranças do partido, você não avalia que existe possibilidade maior de você sair candidato caso aceite mudar de partido?

Ilmar Renato: Eu tenho convites de outros partidos, não vou citar quais porque não gosto de trabalhar com a possibilidades, sempre tive resistência no PT porque defendo minhas ideias, minhas convicções, eu não sou mandato e isso é muito difícil na política, porque você deve seguir uma orientação ou obediência a parlamentares. O que quero dizer é que sou do PT, fico no PT e vou disputar alguma candidatura pelo PT, estou construindo a perspectiva de um projeto coletivo e alternativo para Mato Grosso do Sul, que carece de novas lideranças, lideranças jovens de até 40 anos, que tenha disposição de ver na política que as mudanças passam pela política, não há mudança fora da política. Não pretendo mudar de partido, mas não descarto a possibilidade, caso o PT de Mato Grosso do Sul se mostre medíocre e pequeno na perspectiva de criar processo coletivo de mudança para Estado. Não cogito sair, mas não descarto os convites que tenho recebido.

TopMídiaNews: como você avalia a gestão do atual governador do Estado, Reinaldo Azambuja do PSDB?

Ilmar Renato: o governo do Reinaldo é medíocre, não dialogo com a sociedade, inclusive com o setor que ele mesmo recebeu apoio, existe resistência de setores da Acrisul, Famasul, pecuaristas e produtores rurais, conseguimos ver isso nitidamente. É um governador que não consegue tomar decisão rápida, nem demonstrar a política que prometeu dentro do seu governo em 2014, é muito frágil e carece de oposição, mostrando que o caminho que eles decidiram governar Mato Grosso do Sul não é o caminho certo.

TopMídiaNews: como começou a sua luta a favor dos povos indígenas?

Ilmar Renato: em 2013, começo a militância pela causa indígena, entrei de cabeça pelo processo de reintegração de posse da fazenda Buriti, do Ricardo Baixa, na região de Sidrolândia. Um grupo de ativistas dos direitos humanos me acionou para acompanhar o depoimento dos indígenas que foram detidos nessa reintegração de posse. Quando eu cheguei lá, percebi que se tratava de idosos, mulheres e poucos jovens. Vi que a realidade é que a polícia não sabe lidar com a questão indígena em Mato Grosso do Sul. Eu sou o primeiro advogado a chegar lá e fui muito hostilizado pelo delegado Alcides, dizendo que eu estava sendo advogado de assassinos. Tudo começou ali, em maio de 2013.

TopMídiaNews: como recebeu o convite para participar do BBB17?

Ilmar Renato: fui abordado pelo olheiro do BBB,  no bar Drama em Campo Grande, quando estava chefiando a cozinha do bar. Eu não tinha interesse nenhum, quem me convenceu a ir na seletiva, foi meu filho. Sempre guardar um segredo é difícil, sonegar informação é difícil, mas essa eu tive que manter em sigilo para não me prejudicar. Eu escolhi três pessoas que pudesse falar e começar a trabalha uma estratégia. Fiquei sabendo que ia entrar por dedução lógica, no dia 5 de janeiro de 2017.

TopMídiaNews: Marcos era seu grande amigo no programa, depois passou a te ver como inimigo, hoje, alguns meses depois, como você enxerga essa situação?

Ilmar Renato: eu avalio a minha participação no programa como positiva, consegui demonstrar o ser humano que eu sou, com valores, com ética, com amizade verdadeira, como um pai que ama muito seu filho. Eu cumpri a minha meta, que era ficar no BBB por três semanas, consegui ficar 11 semanas. Com relação ao Marcos, costumo não falar muito sobre ele, porque foi uma decepção muito grande. O que ele fez, principalmente na segunda-feira, antes do paredão que eu sai, ele expõe a vida do meu filho naquele momento. Então eu não tenho interesse nenhum, nenhum mesmo, e as pessoas que me conhecem aqui fora, que são meus amigos, sabem que dou muito valor a amizade e ele não foi leal comigo. Eu estou muito tranquilo, quem sabe para o futuro podemos nos encontrar, mas nesse momento não, tenho projetos muito mais importante, tenho que da voz a muitas pessoas que não tem voz no Brasil, então minha responsabilidade maior é com isso.

TopMídiaNews: e em relação a Emily, continuam sem conversar?

Ilmar Renato: Com Emily eu prefiro nem comentar.

TopMídiaNews: tem se reunido com os participantes da casa?

Ilmar Renato: tenho me reunido e conversado com alguns participantes, principalmente com o Luiz Felipe, tenho batido muito papo com o Pedro, semana que vem vou encontrar ele em São Paulo. falei com Rômulo essa semana, de vez em quando falo com Manuel ou com Antonio, a vida deles é muito corrida. Estou ajudando a Mayara aqui no Rio de Janeiro, a Marinalva a gente se fala, mas é muito difícil, está todo mundo na correria, acredito que baixando a poeira, fica mais fácil.

TopMídiaNews: se arrepende de alguma atitude dentro da casa?

Ilmar Renato: a única coisa que me arrependo foi ter aquele momento de estresse, ter chamado a Emily de verme. Essa é a única coisa que me arrependo.

TopMídiaNews: após o BBB, o que seu filho  Higor te disse ao te encontrar?

Ilmar Renato: O Higor disse que me ama, tem muito orgulho de mim, sempre soube o cara incrível que sou e tem orgulho de ser meu filho.

TopMídiaNews: quais são seus planos daqui em diante?

Ilmar Renato: meu plano sempre foi disputar eleição a partir de 2018 em Mato Grosso do Sul,e estou viajando o interior, tentando dar retorno para pessoas que me ajudaram, votaram em mim para ficar na casa, estou até o dia 10 de junho, não estou parando em Mato Grosso do Sul, volto no dia 26  de maio do Rio e São Paulo e começo a viajar o interior do Estado. Também vou para minha cidade natal, no interior de São Paulo, na divisa com o Estado,  próximo de Bataguassu. Tenho algumas propostas, de vários projetos, mas não vou falar quais são, porque eu gosto de falar quando as coisas são concretizado. Estou viajando a trabalho, viajei Rio, São Paulo, Brasília. Tenho propostas para ir para Manaus, São Luiz do Maranhão, Bahia e Pernambuco. Minhas férias aconteceram dentro da casa, tive 72 dias de férias, estou trabalhando entorno de 14 a 16 horas por dia, conversando com muita gente, principalmente na Capital.

Ilmar Renato: como avalia esse novo momento da sua vida, após ganhar destaque nas telinhas da Rede Globo?

TopMídiaNews: estou tranquilo, com pé no chão, sei que o programa da uma dimensão grande, não posso ser medíocre e desprezar isso, estou focado em dar o retorno do carinho dos fãs, das pessoas que me acompanharam, tenho dimensão disso, tiro foto com as pessoas. Quanto mais popular são os lugares que eu vou, tem um assédio maior. Já tirei mais de 500 fotos em um dia, eu tenho muita responsabilidade, sei onde estou, não sou deslumbrado, estou com o pé no chão, mas sei o local onde estou, sou coerente, receptivo, para devolver todo o carinho que recebi.


                                                          

TopMídiaNews: quem é o Mamão hoje

Ilmar Renato: Não é o mesmo Mamão antes de entrar na casa, mas é uma pergunta ainda que não tenho resposta. É um Mamão com mais responsabilidade, com mais desafios e com menos respostas e mais incertezas. Tenho refletindo muito sobre isso, mas não tenho encontrado a resposta ainda.

TopMídiaNews: como analisa os escândalos envolvendo o presidente Michel Temer, Aécio Neves e empresários da empresa JBS?

Ilmar Renato: é uma grande preocupação, sentimento de indignação, porque esse grupo político que se instalou no Brasil, com Impeachment  de uma presidente eleita, até então, sem nenhuma prova de que tenha se envolvido em atos de corrupção e colocaram o cara, como um usurpador, traidor da nação. Um sangue suga do Estado brasileiro que é o Michel Temer, eu desafio as pessoas a falar um projeto que o Michel Temer tenha feito, que tenha mudado a vida das pessoas no Brasil. O Aécio Neves é um garoto mimado, que não aceita a derrota em 2014, não aceitando ele tenta de todos os jeitos, derrubar a sua adversária, primeiro com recontagem dos votos, depois para não ter a diplomação da Dilma, depois contestando as urnas, criando dificuldades imensas para que ela pudesse criar um governo para sair da crise, que não é só brasileira, mas mundial. E depois ele começa, a tentar inviabilizar a construção de uma governabilidade no Congresso Nacional que resulta no impeachment, não é surpresa estourar isso agora, já imaginava que tanto Aécio quanto Temer, não são pessoas com capacidade de distinguir o que é público e o que é privado. No caso em que o Temer faz advocacia administrativa a favor do interesse particular de um ministro, então o que ele fez para calar o Eduardo Cunha não me surpreende. O Aécio demorou até para sair algo dessa magnitude na mídia nacional,a gora acaba desmoronando esse castelo de cartas do Mcihel Temer, apoiado pelo Aécio Neves. Vamos esperar que as investigações avancem, que o Ministério Público possa apresentar uma tese de acusação bem formulada, bem escrita, com provas robustas e esperar que a justiça condene essas duas pessoas, para cumprir pena em regime fechado. Torcemos que os crimes de colarinho branco não saiam impunemente, que eles cumpram suas penas em regime fechado. Assim como José Dirceu e Vaccari do PT.

 

HMEDIC

Deixe seu Comentário

Leia Também

fabio trad