Três diplomas e um sonho: Larissa Maxine abandonou formações para viver o teatro

A atriz conta que cursou e conclui jornalismo, artes cênicas e direito

1 JAN 2018Dany Nascimento09h20min
Foto: Wesley Ortiz

Ela possui três graduação e um mestrado, mas a paixão pelo teatro aflorou e é nos palcos que Larissa Maxine, 32 anos, se sente realizada profissionalmente. Considerada a ‘maluca’ no meio da família Árabe, Larissa ‘voou’ alto e decidiu traçar a carreira de atriz, mesmo quando seu futuro parecia estar definido.

Larissa cursou e concluiu o curso de Jornalismo, Artes Cênicas e Direito, mas o estágio voltado para a área da família ‘partia’ o coração da jovem, que sentia dó dos clientes ao ter que cobrar para impetrar uma ação e o trabalho durou apenas dois meses. A emoção dos palcos ‘gritava’ no coração de Larissa, que hoje é considerada uma das performers burlescas mais importantes do país.

A mãe de Maxine não tinha muito conhecimento sobe os passos da filha na profissão. Mas ao saber que a mesma seria entrevistada pelo apresentador Jô Soares, chamou os vizinhos para assistir a filha e acabou surpreendida pela apresentação da atriz.

Confira a entrevista completa:

TopMídiaNews: como começou a carreira de atriz?

Larissa Maxine: Comecei carreira com ginastica rítmica, fiz parte da seleção brasileira. Com 10 anos eu já estava no teatro. Eu era ginasta e a intenção era continuar, mas fui enveredando para a arte, redação, literatura, até que fui fazer segundo grau nos Estados Unidos e quando voltei, voltei certa de que queria atuar. Eu fiz jornalismo, artes cênicas, direito, terminei as três, mas sempre trabalhando como atriz. Minha família achava absurdo, já que fiz três faculdades e um mestrado. Família achava que eu não conseguiria viver disso nunca.

TopMídiaNews: qual foi seu primeiro trabalho como atriz?

Larissa Maxine: foi um comercial vergonhoso, com a atriz Fabíola Nascimento, comercial que cantava música natalina (risos). Foi meu primeiro cachê pago, a publicidade tem suas vantagens e desvantagens. De lá para cá foram peças, filmes, televisão fiz Três Feras e uma Bela, ficamos no ar cinco anos e era transmitido pela Rede Globo no Paraná, Santa Catarina e Rio grande do. Ficamos quase cinco anos entre idas e vindas.

TopMídiaNews: qual a reação da família diante da sua escolha em ser atriz?

Larissa Maxine: Minha família é árabe, tradicionalista, eu sou a louca da família. Minha mãe não sabia o que eu fazia, sabia que era atriz, mas que estava meio diferente de uns anos para cá. Ela ficou sabendo que eu ia dar entrevista no Jô Soares, chamou vizinhos e foi assistir. Terminou a entrevista, comecei a tirar a roupa, ela super intimidada. Ela descobriu ali. Me ligou no mesmo dia, perguntando o que eu estava fazendo. Hoje ela está torcendo por mim. Meu pai quer ir em um show meu, quer ir no carnaval. Minha mãe assistia todas, meu pai era mais desligado, agora que fiquei mais conhecida ele quer ir ver o que a filha dele faz (risos).

TopMídiaNews: quais personagens considera os principais da carreira?

Larissa Maxine: A Julia que fiz na rua José Candile, primeiro filme da Asteroide Filmes, foram indicados para o Kani, tenho maior orgulho de ter trabalhado com essa galera. Tenho carinho muito grande, era um curta que virou médio, mas é um dos principais trabalhos que tenho recordação. O nome Julia me persegue, sempre aparece, tenho cara de Julia. Esse ano foram quatro longas, eu me perco um pouco. Fiz um outro divertidíssimo, ‘A Volta dos Desesperados’, esse filme foi muito engraçado, com Dedé Santana, Sérgio Malandro, Jacaré do Jacaré Banguela e vários outros comediantes. Lá eu sou a mulher caveira que rouba a fala do Sérgio Malandro. Ele vai se vingar de mim e juta toda a galera para isso. Um filme bem comédia, minha personagem é uma bruxa malvada, mas o filme é uma comédia, que marcou minha carreira.

TopMídiaNews: quais são os pontos negativos de encarar a carreira de atriz?

Larissa Maxine:  a estrada, estou sem ir para minha casa tem dois meses. E quando fui, fiz um show e fiquei um dia, não vi ninguém, joguei roupa suja no cesto, peguei roupa limpa e voltei para estrada. Nessa intensidade que tem de viagem, porque não é só burlesca, procuro atuar de outra forma. Eu tenho agenda fechada até maio. Volto para casa depois do carnaval, quero tirar uma semana de folga no Rio. Daqui vou para Curitiba, vai ter carnaval, me apresento todo ano, depois volto para Campinas que estou estudando na Unicamp, tenho show em São Paulo todos os finais de semana, depois quero ir para casa. Até maio terei um monte de coisas.

TopMídiaNews: em todos os anos de carreira, qual personagem que vocês considera marcante, aquele que você não tira da cabeça:

Larissa Maxine: acho que falar de retrospectiva, acho que a personagem do Três Feras e um Bela me obrigou a amadurecer muito rápido, eu era muito nova, muito verdinha, trabalhava com gente casca grossa como Dedé Santana, galera muito mais velha que eu, estava nervosa, não sabia como conversar, falar, atuar, diretor era mais velho e eu tinha 17 anos e ficava olhando para aquela galera toda.  

TopMídiaNews: após todas as graduações, Larissa Maxine se sente realizada profissionalmente?

Larissa Maxina: hoje sim, me sinto realizada. O direito não entrou na minha vida, quando tentei fazer estágio fui mandada embora. Era direito de família, eu morria de dó, as pessoas contavam histórias, eu tinha que cobrar e tinha dó de cobrar, não queria cobrar, não dava. Durei dois meses. Fiz por necessidade da família que queria que eu fizesse. Com jornalismo trabalhei muito e ainda trabalho, tenho assessora de imprensa, mas boa parte das coisas que sai sobre mim, sou eu que escrevo. Sou bem controladora do que falam sobre mim. Trabalhei em redação, na TV educativa, em rádio, trabalhei bastante. Às Vezes escrevo texto, é difícil acontecer, mas ás vezes escrevo.

hmed

Deixe seu Comentário

Leia Também