Planalto admite base menor, porém 'mais fiel'

A avaliação no Planalto é que o governo não precisa mais aqueles 308 votos de quórum constitucional para aprovar a reforma da Previdência

13 MAR 2018Globo10h04min

Diante da sangria do governo, com o enfraquecimento político de Michel Temer nos últimos dias, o Palácio do Planalto decidiu mudar a relação com os aliados: admite uma base menor desde que mais ativa na defesa do presidente.

Há forte preocupação no núcleo palaciano com a agenda negativa do governo: a quebra do sigilo bancário de Temer pelo Supremo; a quebra dos sigilos telefônicos de aliados; e o fato do presidente ter sido incluído no inquérito da Odebrecht na Lava Jato.

Por isso, o governo admite trabalhar com uma base aliada mais reduzida, mas bem mais fiel. Em troca, o governo vai concentrar emendas, cargos e até mesmo a reforma ministerial para o grupo que se mostrar mais leal ao presidente.

A avaliação no Planalto é que o governo não precisa mais aqueles 308 votos de quórum constitucional para aprovar a reforma da Previdência.

Diante disso, a estratégia é abrir mão de alguns aliados e até mesmo de partidos que já namoram com outras candidaturas, como o PSD, ou mesmo com candidatura própria como o DEM.

"Quem é aliado tem que defender o governo. E por isso, será recompensado. Mas não adiante ter um base extremamente numerosa, mas sem qualquer lealdade", disse ao blog um auxiliar de Temer.

 

dedo de moca

Deixe seu Comentário

Leia Também