Com dor em pleno feriado, jovem procura dentista, mas encontra 'açougueiro' em CRS

Mulher reclama que há lei para desacato contra servidores, mas pacientes ficam desamparados

2 JAN 2019Thiago de Souza16h35min
Foto: Google Maps

Uma paciente de Campo Grande foi às redes sociais denunciar atendimento odontológico que classificou como péssimo e revoltante, nesta terça-feira (1), no Centro Regional de Saúde do Aero Rancho. Ela diz que o profissional não lhe aplicou anestesia suficiente, além de prestar um atendimento ''relâmpago''.
 
A denunciante relatou que sentia dores há dois dias por conta da queda de uma obturação. Por estar com restrições financeiras, procurou uma unidade pública naquele dia, que fica no Aero Rancho.

''Sempre fui bem atendida e tive sorte de encontrar profissionais bem preparados. Mas hoje tive o desprezo de encontrar, creio que um plantonista, mal educado sem piedade. Já estava sentindo dor e o mesmo não se orientou, aplicou uma anestesia que não pegou e não deu tempo pra ela pegar e ele veio mexer no meu dente'', desabafou.

Conforme publicou, ela alertou o profissional que estava doendo e, em seguida, recebeu nova anestesia. Mas o problema com a prestação do serviço continuou.

''Fez o procedimento com brutalidade e rapidez, creio que não durou nem 10 minutos... Resumindo: atendimento rápido, porém sem qualidade, sem respeito e sem humanidade'', definiu a internauta.

A má qualidade do serviço se deu, segundo a jovem, pelo fato do profissional estar descontente por atuar no feriado.

''Eles [servidores] acham que somos culpados deles estarem trabalhando no feriado. Porém, eles deveriam saber que isso iria acontecer quando fizeram sua faculdade... O Sistema Único de Saúde tem péssimos colaboradores e alguns são péssimos profissionais!'', desabafou novamente.

O caso, supostamente vivido na CRS Aero Rancho, fez a paciente refletir sobre direitos e deveres dos cidadãos. Ela reclama que só existe lei sobre desacato contra funcionários públicos, mas não para os pacientes. Já internautas a alertaram que ela precisa fazer a reclamação na ouvidoria da Secretaria Municipal de Saúde.

Equipe da Sesau já havia respondido a publicação da paciente na própria rede social. Ela foi orientada a formalizar a reclamação na ouvidoria do órgão. Ao TopMídiaNews, a Sesau informou que ainda aguarda a reclamação ser registrada, mas que, independente disso, vai apurar o que aconteceu na ocasião relatada.

''...havendo incongruência ao protocolo de acolhimento e no serviço prestado, poderá ser aberto processo administrativo''.  

Deixe seu Comentário

Leia Também