Surtos e agressões: família denuncia descaso e não sabe o que fazer com paciente psiquiátrico

Homem de 35 anos sofre de esquizofrenia e pode colocar a vida em risco

15 AGO 2017Thiago de Souza19h32min
Homem teve de ser amarrado durante surtoFoto: Repórter Top

A família e vizinhos de um homem portador de esquizofrenia não sabe mais o que fazer com o parente, que tem surtos constantes e pode por a própria vida em risco. Eles denunciam descaso da prefeitura, já que o parente não para em nenhuma unidade de saúde mental em Campo Grande.

A denúncia vem de uma amiga da família, moradora do Vida Nova II, que é testemunha de atos de agressividade e surtos do paciente, que tem 35 anos.

''Ele estava internado há um mês no Nosso Lar, mas teve alta na sexta-feira, três dias depois de fugir de lá. Já no domingo ele começou a agredir a mãe, que é doente, foi contido pelo irmão e levado pelos bombeiros até o Centro de Saúde do Nova Bahia'', conta Marilene Fonseca.

Fonseca questiona a liberação do paciente diante de seu estado de saúde. Ela acrescenta que o homem fica na rua e quando entra em surto, joga pedras em quem ele cisma.

Ainda de acordo com Marilene, nesta terça-feira (15), pela manhã ele se soltou no Centro de Saúde do Nova Bahia e agrediu um enfermeiro, que se feriu no maxilar.

''Estamos com medo dele fugir e nos agredir. Posto de saúde não é lugar para doente mental. Ele tem cisma com a gente por conta da nossa crença religiosa'', alerta. Ela acrescenta que a mãe do paciente perdeu uma filha há poucos meses, é obesa e aguarda cirurgia.

Mais uma vez destaca que ele não tem condições de ficar na rua, pois vive em delírio. ''Ele disse que no Nosso Lar comia carne humana e por isso saiu de lá. Ele não está bem'', desabafa.

Conforme os relatos, ele já fugiu dos Caps (Centro de Assistência Psicossocial) em várias ocasiões. Apesar da situação crítica, Marilene destaca que quando ele ingere a medicação corretamente, fica mais tranquilo e não oferece riscos.

''Ele até gerencia o próprio dinheiro, tem vida relativamente normal'', pondera.

Entramos em contato com a Prefeitura Municipal que prometeu averiguar o caso, mas sugeriu que ele fosse levado ao Caps.

Também ligamos para a direção do Hospital Nosso Lar, no entanto o diretor Geraldo Escobar não estava, e a secretária pediu que entrássemos em contato nessa quarta-feira. Informamos o caso a atendente para saber se o paciente foi liberado ou fugiu, mas fomos orientados a telefonar no outro dia.

Menos de três horas após a denúncia chegar ao TopMidiaNews, na noite desta terça-feira (15), o paciente se descontrolou na unidade do Nova Bahia. Os bombeiros foram acionados e tiveram muito trabalho para conter o paciente.

Os militares informaram que o porte físico do homem é avantajado e que sofreram arranhões consideráveis. Por isso decidiram registrar queixa na Depac.
Surgiu a informação que o paciente seria levado para a Clínica Carandá, mas a família diz que ele permanece no Nova Bahia.

nando viana

Deixe seu Comentário

Leia Também

erro medico