Sob pressão, Santos mantém cautela por Robinho e Gabigol

Negociações com ex-santistas estão arrastadas

6 JAN 2018Globo Esporte08h43min
Foto: Guilherme Frossard

Desde que assumiu o cargo de executivo de futebol do Santos, Gustavo Vieira de Oliveira sentiu na pele a pressão dos torcedores pela chegada de reforços. Com problemas financeiros, o Peixe tem dificuldades no mercado para acertar a vinda de novos atletas.

O Santos terminou 2017 com perdas significativas, como Zeca (conseguiu rescisão contratual na Justiça), Lucas Lima (foi para o Palmeiras) e Ricardo Oliveira (agora no Atlético-MG), e não conseguiu repor as vagas. A única contratação, até o momento, é a do lateral-esquerdo Romário, ex-Ceará.

Para 2018, os nomes mais desejados pela diretoria são velhos conhecidos: Gabigol, da Inter de Milão, e Robinho, sem clube. O Peixe adota cautela nas conversas com a dupla, que começaram ainda com o ex-presidente Modesto Roma. As negociações não parecem perto de chegar ao fim.

– O Robinho é um jogador fora de série, sempre teve destaque, é um Menino da Vila, uma identificação grande com a instituição. Há conversas e houve conversas antigas, antes mesmo da minha chegada. Então, estamos tateando e vendo os movimentos para entender as possibilidades. Existe sempre um sentimento de que o Menino da Vila tem portas abertas aqui – disse Gustavo Vieira de Oliveira.

– O setor ofensivo, na minha opinião, é um desafio de encontrar soluções. Tivemos perdas significativas. Temos que nos repor o mais rápido possível, mas talvez as características de quem chegar sejam um pouco diferentes – emendou.

O técnico Jair Ventura nem titubeou: acredita que Robinho e Gabigol se encaixariam completamente no esquema do Peixe. Ainda assim, o novo treinador manteve o mesmo discurso de cautela do executivo.

– São dois jogadores que dispensam comentários. Têm uma identificação com o clube, fizeram história aqui. É inegável que gostaria de contar com eles, mas temos de ir com calma – disse Jair.

Até o momento, o Santos, apesar de contar com 44 jogadores à disposição, tem um elenco incompleto para 2018. Gustavo Vieira de Oliveira quer que o Peixe feche o grupo até o início das competições, mas está ciente das dificuldades do clube no mercado.

– Com a posse (da diretoria), as eleições, tudo isso implicou. Tivemos duas perdas significativas, existe trabalho pela frente. Espremeu um pouco o tempo, o calendário também implicou. O planejamento ideal é ter os jogadores à disposição o quanto antes, vamos chegar até fevereiro observando e buscando oportunidades. São desafios importantes – concluiu Gustavo.

Além de Robinho e Gabigol, outros nomes na pauta do Peixe são Gilberto, sem clube, Hudson, do São Paulo, Lucas Zelarayán, do Tigres, e Eduardo Sasha, do Internacional.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também