Vai e vem tricolor: Grêmio perde "espírito" de Edílson, mas agrega drible com Alisson

Lateral-direito era um dos líderes do elenco gremista e injetou indignação contra derrota. Mas Tricolor ganha jogador mais valorizado e substituto para Pedro Rocha

3 JAN 2018Globo Esporte09h57min
Foto: Lucas Uebel/Grêmio/Divulgação)

restes a ser oficializada, a troca entre Grêmio e Cruzeiro dividiu opiniões de torcedores nas redes sociais. Afinal, o Tricolor acertou ao ceder à vontade de Edílson e liberá-lo? O lateral-direito saiu valorizado após dois títulos em Porto Alegre e rendeu ao clube gaúcho o atacante Alisson. Se por um lado os gremistas perderam a liderança e o espírito do tricampeão da América, ganham a velocidade e o drible do substituto de Pedro Rocha (e Fernandinho).

A negociação está sacramentada. Edílson se apresentará ao Cruzeiro nesta quarta-feira, data do retorno dos mineiros ao trabalho. Deixa uma lacuna na defesa vencedora da Libertadores, algo que não é tão simples de preencher. Vai ganhar mais do que o dobro em Belo Horizonte e, na balança, rende lucro ao Grêmio. O Tricolor pagou cerca de R$ 1 milhão pela contratação do lateral, na metade de 2016. Agora, receberá um atacante de 24 anos avaliado em 2,5 milhões de euros ( R$ 9,8 milhões) - Edílson tem valor de 1,5 milhão de euros (R$ 5,9 milhões), ambos segundo o site Transfer Market.

Mas é fato que a liderança de Edílson foi importante nos últimos anos no Tricolor. Desde que chegou, na metade de 2016, o camisa 2 tomou posto relevante no grupo. Era interlocutor com a diretoria e também próximo ao técnico Renato Gaúcho. Além da questão técnica e de suas potentes cobranças de falta, a falta desse “espírito” vai ser sentido. Restará a outros companheiros no vestiário tal tarefa.

- Esse jeito de indignação é natural meu de não aceitar a derrota e defender o meu time, também os meus companheiros. Falo que dou a vida pelos amigo dentro de campo. Acho que eles veem isso e contagia a galera para um se doar pelo outro - dsse Edílson em entrevista ao GloboEsporte.com em setembro de 2017.

Na temporada, Edílson atuou em 39 partidas, sendo 37 destas como titular. Fez quatro gols e se destacou especialmente na semifinal da Libertadores, na vitória por 3 a 0 sobre o Barcelona-EQU, ao fazer um gol de falta e dar passe para outro no estádio Monumental, em Guayaquil.

Substituto de Pedro Rocha

O Grêmio precisava de um jogador para o lado esquerdo de ataque para disputar com Everton. E foi cirúrgico. Alisson atua justamente nesta faixa de campo preferencialmente. É diferente de Pedro Rocha, porém. Prefere a corrida para o fundo – e não para dentro –, ao passo que não é exímio finalizador. Por outro lado, cumpre as funções táticas de marcação no setor defensivo, como fazia o jovem vendido ao Spartak Moscou, assim como Fernandinho, a caminho do Chongqing Lifan, da China.

Em 2017, Alisson foi titular em boa parte da temporada do Cruzeiro. Começou 38 jogos, dos 57 disputados com a camisa do clube. Anotou cinco gols. Chega com os títulos do Brasileirão de 2013 e 2014, além da Copa do Brasil de 2017 na bagagem. Brigará por vaga com Everton.

- É um jogador com boa recomposição, disciplinado, excelente profissional. Tem a virtude do drible e jogada aguda para o fundo. Tem no drible a sua principal virtude. O Pedro era mais vertical, a origem dele era centroavante. Talvez tenha mais virtude ofensiva, mais agudo. O Alisson não cria tanta situações como o Pedro, mas compõe bem o setor. Não é um exímio finalizador, é mais preparador. Até surpreende o Cruzeiro liberar ele assim - analisa James Freitas, auxiliar de Mano Menezes em 2017.

Acertado por quatro anos, Alisson chega até o fim da semana a Porto Alegre para assinar contrato e passar por exames médicos. Quem sabe, também pode seguir roteiro semelhante ao de Pedro Rocha. Em um início conturbado na frente do gol, o ex-atacante gremista passou a ter um ano goleador após trabalho mais aguçado do treinador e ídolo Renato.

 

 

hmed

Deixe seu Comentário

Leia Também