Bancada de MS vota em peso pela medida que autoriza R$ 248,9 bilhões extras para Bolsonaro

Dinheiro garante pagamento de aposentadorias e também vai financiar o Plano Safra e o envio de recurso para Educação

12 JUN 2019Celso Bejarano, de Brasília09h04min

Acordo entre o governo de Jair Bolsonaro e o Congresso Nacional garantiu uma operação bilionária à União, em sessão realizada ontem, terça-feira (11) à noite. A medida foi aprovada graças ao sim de 450 dos 513 deputados federais e 61 dos 81 senadores.

Com essa dinheirama, um extra de de 248,9 bilhões, Bolsonaro, por meio de emissão de títulos públicos, garante o pagamento dos benefícios da Previdência Social, benefício da Prestação Continuada, Bolsa Família, Plano Safra e também ouras despesas.

A bancada de Mato Grosso do Sul (3 senadores e 11 deputados federais) votou em peso favorável à medida.

Antes de concordada pelo plenário, a proposta passou pela Comissão Mista de Orçamento, colegiado que conta com o deputado federal sul-mato-grossense Dagoberto Nogueira (PDT), onde foi selado um trato entre representantes do governo e de várias siglas.

Integrantes da força governista prometeram liberar para a Educação R$ 1 bilhão dos recursos atualmente contingenciados;

R$ 1 bilhão ao programa habitacional Minha Casa, Minha Vida;

R$ 550 milhões para as obras de transposição do Rio São Francisco

R$ 330 milhões para bolsas de estudo do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Suspensão de benefícios

Semana passada, Bolsonaro disse que teria de reter, a partir de 25 de junho, o pagamento de benefícios a idosos e pessoas com deficiência caso o Congresso não aprovasse o projeto.

Ele afirmou ainda, se a proposta não fosse aprovada, outros programas poderiam ficar sem recursos nos próximos meses. E citou o Bolsa Família, o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e o Plano Safra.

Deixe seu Comentário

Leia Também